Velhos jovens

“Não sobreviveremos a nós mesmos”, dizia o músico sul-africano Dave Matthews, em seu último disco, Away From The World, de 2011. E foi essa a verdade que caiu feito louça em ombros de concreto. De que adiantam tantos medos, tantas desmesuras? De que nos adianta esquecer de nossa finitude querendo coisas para sempre? É razoável que deixemos o carinho e a amizade, com quem esteve um dia a cuidar de família, casa, trabalho e tudo mais que a modernidade nos impõe, para depois?

Fonte de reflexo Jan26

Fonte de reflexão

Permita-me, caríssimo leitor, o atrevimento de invadir sua privacidade, para perguntar: por que você lê? Por que é obrigado por seus professores? Para aprender? Para se divertir? Ou por todos estes motivos juntos? É óbvio que, se não for dado ao hábito da leitura, não estará lendo este questionamento. Por isso, não terá como respondê-lo.

Viagem  investimento Jan22

Viagem é investimento

Conhecer novos lugares, novas culturas, novas formas de pensar. Pra quem acha que uma viagem é somente despesa, pode começar a rever seus conceitos. Para o empreendedor (seja ele um empresário ou um colaborador), viagem é investimento. Viajar ajuda a abrir a mente para novos conhecimentos e gera ideias que você não conseguiria ter sem sair do lugar.

Fogo sagrado Jan19

Fogo sagrado

“É o fogo que faz o homem”. Exagero? De forma alguma!
Trata-se de um dos elementos mais abundantes no universo. O que é o sol se não uma descomunal “fornalha”, uma explosão nuclear quase que interminável? O que são as estrelas, se não isso também? O fogo, pois, dependendo da intensidade e do uso que dele se faz, é o salvador e o destruidor por excelência de todos os seres vivos. E do homem, naturalmente.

Sobre as notícias

Pelo calor, fui levado à biblioteca e ao verso de Púchkin, fundador da moderna literatura russa,
“Dom inútil, dom fortuito,
por que a vida me foi dada?
E o destino, com que intuito
a condena a um: o nada?”

Liberdade de Verão

Um médico otorrinolaringologista esses tempos falava das alergias a que somos expostos desde que nascemos. Sem dar-se por preocupado com a audiência, levantou uma curiosa ideia, possivelmente fruto de pesquisas e boas leituras não acadêmicas, pois dizia ele: a liberdade do homem está na cela das cidades, e é sem essas celas que até hoje ninguém conseguiu provar melhor lugar a se viver, e concluía, enfático: estamos, portanto, condenados às doenças que as prisões de aslfato e concreto nos brindam.

Trilha sonora de uma revoluo Jan12

Trilha sonora de uma revolução

O rock impôs-se, fixou-se e se consolidou na preferência da juventude dos anos 50 como uma espécie de “trilha musical” de todo um processo de transformação de costumes, que havia começado, destaque-se, pouco antes do grande público conhecê-lo e se apaixonar por ele. Tornou-se símbolo de uma revolução sem armas e nem barricadas, mas que gerou efeitos.

Certo pode ser errado? Jan09

Certo pode ser errado?

Há pessoas que se questionam se estão fazendo a coisa certa, há outras que nem estão aí pra isso… mas há também os que seguem o “fluxo do rio” ou seja vão pelos outros e quando se defrontam em um equívoco dizem: “ah todo mundo faz assim….”

Ao moinho

Da janela, o que vejo, é outro prédio, iluminado pelo sol. E um raio da memória novamente ataca. Vibro calado. Em cada nervo, em cada tendão ressurge um sentimento, e pergunto se a vida é assim, um antes e um depois e um mesmo, sempre. Sorrio. E me ocorre a história do ano que há pouco se encerrou. Copa do mundo de futebol, 2014, Brasil. Torcedores estrangeiros de diferentes nacionalidades se empanturravam na conta de uma grande descoberta: refeições no bufê a quilo. Sim, leitor, eles não conheciam e nem sabiam que existiria, no mundo, comida pronta vendida a quilo.

A gangorra da vida Jan05

A gangorra da vida

Vocês já notaram o quanto dependemos das circunstâncias (ou do acaso, como queiram), para obter sucesso no que quer que seja? Muitos atribuem essas oscilações, ora dramáticas e intensas, ora mais suaves e amenas, que ocorrem sem nenhum aviso prévio em nossas vidas, a algo mal definido, que chamam, genericamente, de “destino”. Para essas pessoas, tudo o que nos acontece, de bom ou de ruim, já está ou já estava predeterminado desde nosso nascimento ou até antes. Tolice, claro.

Criar um negócio digital

Trabalhar em casa, criar uma renda crescente, poder viver onde desejar. Muita gente busca esta realização para sua vida. A melhor forma de desenvolver um negócio que permita estas realizações é criar um negócio na Internet, que gere renda residual e que funcione praticamente no piloto automático.